header top bar

section content

Arte urbana homenageia músicos paraibanos no centenário de Jackson do Pandeiro

São representados nos paineis o próprio Jackson do Pandeiro, Sivuca, Elba Ramalho, Zé Ramalho, Kátia de França e Zabé da Loca

Por SHOW DIÁRIO com Assessoria

31/10/2019 às 14h27 • atualizado em 31/10/2019 às 15h18

Fachada da agência de Patos com obras do artista Shiko

Obras de grafite sobre lona, de 15 metros quadrados, retratando artistas nacionais e musicalidades, marcam o centenário de nascimento do cantor e compositor paraibano José Gomes Filho, o Jackson do Pandeiro. Os paineis integram o projeto Galerias Urbanas, do Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB Sousa), e estão expostos nas áreas externas das agências do BNB em Sousa, em Campina Grande e em Patos.

Além de homenagear o “Rei do Ritmo”, o projeto busca aproximar a população dos três municípios e de cidades circunvizinhas ao universo da arte urbana, por meio do grafite, apresentando os trabalhos dos grafiteiros paraibanos Thayroni Arruda, Francisco José Souto Leite, o “Shiko”, e Flora Santos.

São representados nos paineis o próprio Jackson do Pandeiro, Sivuca, Elba Ramalho, Zé Ramalho, Kátia de França e Zabé da Loca. Algumas das obras inspiram-se na musicalidade de Jackson. É o caso da obra que representa a composição “Sebastiana”, coco de autoria de Rosil Cavalcante, gravado por Jackson em 1953.

Berço em Nova Iorque

O grafite como manifestação artística surgiu nos anos 1970, em Nova Iorque, apropriando-se de espaços públicos e em associação a outros movimentos, a exemplo do Hip Hop. O grafite permite ao artista criar uma linguagem intencional para interferir na cidade e provocar o público sobre um tema.

Para Flora Santos, criadora da obras que retratam Kátia de França, Zé Ramalho e Elba, expostas em Sousa, a emoção reforça os laços culturais. “A música paraibana é rica demais e merece ser exaltada. Posso correr mundo afora, mas nada me emociona tanto quanto a nossa música cantada da nossa forma. No fim das contas, estamos conversando sobre coisas que vivemos e percebemos por ângulos bem próximos”, destaca.

Ao avaliar a proposta do projeto Galerias Urbanas, Thayroni Arruda, criador das obras em exposição em Campina Grande, diz que “o grafite é tanto uma representação da sociedade quanto uma forma artística gestada nas contradições desta mesma sociedade. Neste sentido, tem passado por transformações, deslocando-se dos lugares tradicionais e passando a ser apresentado em galerias, museus, além de ter se incorporado à linguagem publicitária, tornado produto e até desmaterializado nas interações com a arte virtual ou a cibercultura”, observa.

O “Rei do Ritmo”

Nascido em agosto de 1919, em Alagoa Grande, na Paraíba, Jackson do Pandeiro, conhecido como o “Rei do Ritmo” ganhou espaço na música brasileira por sua versatilidade. Projetou nacionalmente os gêneros coco e o samba nordestino, tocava diversos instrumentos, como sanfona, reco-reco, ganzá e piano, e gravou muitos sucessos, a exemplo de “Sebastiana”, “Canto da Ema” e “A Mulher do Aníbal”. Sua contribuição influenciou muitos artistas de renome, sobretudo os mais identificados com a música de caráter regional. Faleceu em julho de 1982, em Brasília.

Recomendado para você pelo google

VISITA DO PRESIDENTE

VÍDEO: Prefeito de Campina Grande solicita a Bolsonaro duplicação da BR-230 de Campina ao sertão da PB

DESTAQUE NACIONAL

VÍDEO: Juizado Especial Misto de Cajazeiras atinge um dos melhores índices de atendimento do Brasil

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: ortodontista sousense revela as orientações para manter a saúde bucal das crianças em dia

MÚSICA E ORAÇÃO

VÍDEO: 5º Show Pela Paz em Cajazeiras bate recorde de público com show do artista católico Thiago Brado