header top bar

section content

ALERTA! Os vírus e bactérias que vão ameaçar o Brasil em 2020

De velhas conhecidas (dengue) a ameaças novas (febre do Nilo Ocidental), conheça infecções com potencial para se espalhar pelo país no Detetives da SAÚDE

Por Saúde

17/11/2019 às 13h04

Parece que todo ano desembarca no Brasil um vírus ou uma bactéria para atormentar as pessoas. E, quando não pinta uma novidade, doenças já conhecidas, como febre amarela e dengue, causam estragos especiais. O ataque constante de infecções é normal ou estamos fazendo algo errado? E, acima disso, com quais micro-organismos devemos nos preocupar especialmente em 2020? Esse é o tema do mais novo episódio do podcast Detetives da SAÚDE.

Nosso convidado especial é Celso Granato, infectologista do Fleury Medicina e Saúde e professor da Universidade Federal de São Paulo. Ele ressalta que há muita ciência por trás das previsões sobre as doenças infecciosas com potencial para nos atormentar nos próximos meses. “Mas há um pouco futurologia também”, brinca.

Entre as doenças que mais o preocupam, Granato destaca uma pouco conhecida entre os brasileiros: a febre do Nilo Ocidental. “Não sabemos porque ela ainda não chegou com força. Mas há um risco cada vez maior de isso acontecer”, destaca. Além disso, o médico afirma que precisamos estar bastante atentos com a dengue, especialmente com o subtipo 2 da enfermidade.

Entenda tudo, assistindo o vídeo acima!

Fonte: Saúde - https://saude.abril.com.br/podcast/os-virus-e-bacterias-que-vao-ameacar-o-brasil-em-2020/

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Governador rebate declaração de Gervásio Maia: “É mentira. A Cagepa vai continuar uma empresa pública”

ESPORTE E EDUCAÇÃO

VÍDEO: Colégio Nossa Senhora do Carmo, em Cajazeiras, encerra o ano letivo 2019 com Olimpíadas Internas

ORÇAMENTO DEMOCRÁTICO

VÍDEO: Conselheiros do OD se confraternizam em Cajazeiras e já iniciam debates sobre as ações para 2020

EDUCAÇÃO E EMPREGO

VÍDEO: Mensagem Empresarial recebe coordenadora e estudantes do Núcleo de Empregabilidade da FSM