header top bar

section content

Estudo diz que Brasileiros estão apimentando a relação sexual para resolver problemas conjugais

Estudo também mostra que, na cama, os homens valorizam mais as preliminares

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

12/09/2017 às 08h45

De acordo com a terapeuta, a cultura machista e opressora prejudica a sexualidade tanto do homem quanto da mulher (Foto: Shutterstock)

No mês de setembro é popularmente conhecido como o mês do Sexo, atividade que, para os brasileiros, é de extrema importância para manter uma relação saudável.

Isso é o que indica uma pesquisa do “Sexlog”, o maior site adulto de relacionamento da América Latina. Segundo o portal, 40% dos brasileiros acreditam que apimentar a relação é um meio de melhorar a vida à dois.

Talvez seja esse o motivo de nunca negarem fogo -ou alegarem cansaço e dor de cabeça para não terem relações sexuais. Ao que tudo indica, os brasileiros e brasileiras não brincam em trabalho e 80,4% diz nunca ter recusado sexo.

Frequência também é importante para uma vida sexual saudável: 34,5% dos brasileiros transam de duas a três vezes por semana. Os casais também tentam variar as posições -pelo menos três por ato- mas a favorita, para ambos os sexos, é a “de quatro”.

A pesquisa também mostra que, na cama, os homens valorizam mais as preliminares. Enquanto 63,3% deles dedicam mais de meia hora às carícias, 59% das mulheres preferem que as brincadeiras não passem dos trinta minutos.

Além da preferência por sexo a dois, os brasileiros também são conservadores no que diz respeito aos “apetrechos”: 54,7% dos pesquisados não possuem nenhum brinquedo erótico.

Notícias ao Minuto

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com o Ministério de Louvor: Fonte de água da vida

SAÚDE MENTAL

VÍDEO: “Psicologia no Ar” reestreia na TV debatendo as dúvidas e estereótipos que os psicólogos carregam

ENTREVISTA

VÍDEO: Com demonstrações ao vivo, fisioterapeuta cajazeirense explica como funciona a Quiropraxia

VÍDEO!

CONTRA MÃO: Aliado do prefeito de Cajazeiras critica políticos de Brasília, mas admite votar em “golpista”